/
/
O Novo Normal na Construção

O Novo Normal na Construção

novo normal na construção

Por João Moutinho
Business Director BUILT CoLAB

Como deve a indústria da construção reagir para lidar com os desafios de uma sociedade mais digital, mais sustentável, mais competitiva e com menos mão-de-obra disponível?

A construção, que engloba edifícios, infraestruturas e estruturas industriais, é a maior indústria da economia global, representando 13% do PIB mundial (McKinsey, 2020).

As empresas que possam ajustar os seus modelos de negócio vão prosperar, as outras que não o façam vão ter muitas dificuldades para sobreviver.

Os desafios:

– Nas últimas duas décadas a construção tem sido caracterizada por um desempenho relativamente fraco. O crescimento anual da produtividade nos últimos 20 anos foi apenas um terço da média total da economia. A aversão ao risco e a fragmentação, bem como as dificuldades em atrair talento digital, abrandaram a inovação. A digitalização é mais baixa do que em quase todas as outras indústrias. A satisfação do cliente é dificultada por ultrapassagens frequentes dos prazos e do orçamento, por longos procedimentos de reclamação e por uma imagem relativamente negativa por parte dos donos de obra;

– A escassez de mão-de-obra qualificada tornou-se um dos maiores desafios da construção. Isto deve-se em parte ao êxodo de trabalhadores para outros países da Europa e agravar-se-á no futuro já que uma parte significativa dos trabalhadores mais qualificados da construção irá reformar-se nos próximos anos. No entanto, vários diagnósticos realizados identificam também que há uma fraca atratividade dos trabalhadores para algumas das atividades inerentes à construção, nomeadamente as relacionadas com o trabalho em obra. Estudos realizados pelas associações setoriais identificam desde já uma necessidade de mais de 70 000 trabalhadores para este setor só em Portugal. A utilização de tecnologias imersivas VR/AR, em contexto virtual e real, habilita novas formas mais eficientes e atrativas de capacitar a mão-de-obra e permitir cenários de treino/assistência remota quer em fábrica (produção) ou em obra (montagem);

– Os requisitos para a segurança no local de trabalho e a sustentabilidade são cada vez mais exigentes. Na sequência do COVID-19, serão necessários novos procedimentos de saúde e segurança. As autoridades Europeias e Mundiais, devido às mudanças climáticas, irão cada vez mais colocar uma pressão sobre a indústria da construção para reduzir as emissões (especialmente considerando que a construção é responsável por mais de 40% da totalidade das mesmas);

A industrialização da construção será o novo normal. A modularização, a automatização da produção fora do local da obra e a automatização da montagem no local permitirão a industrialização e uma abordagem mais industrial, baseada no produto. A mudança para um ambiente mais controlado será ainda mais valiosa considerando as aprendizagens que aconteceram com a COVID-19 e a forma como o mundo passou a ser mais “digital”. O próximo passo na transição para uma produção eficiente fora do local (“offsite”) passa por integrar sistemas de produção automatizados, essencialmente tornando a construção mais análoga com a fabricação automóvel. Os robots terão de, em fábrica, produzir estes novos produtos modulares (em betão, metal, geocompósitos ou outros materiais), fazer o seu acabamento, verificar a sua conformidade e depois até poderão montá-los em obra. As estimativas apontam para uma diminuição do tempo de construção entre 20 e 50% (McKinsey 2019). É também significativamente mais económico produzir em fábrica (ambiente controlado, melhores condições de trabalho e menor dificuldade em angariar mão de-obra) e montar apenas no local. As estimativas apontam para uma redução de 20% no custo (McKinsey 2019). Menos “rework”, menos custos logísticos, menos desperdício e maior produtividade de mão-de-obra. Esta mudança de paradigma é necessária e gera edifícios de melhor qualidade, a menor custo e com maior sustentabilidade ambiental. A acompanhar tudo isto teremos necessidades de software que facilitem o “design for assembly”, que criem os módulos, que preparem o fabrico, que usem inteligência artificial para tornar tudo mais eficiente, e redes de comunicação de última geração para cooperar, comunicar e gerar dados. Destes dados, extrair-se-á valor para a produção, montagem e até comercialização, tal como se faz há décadas na indústria automóvel;

– As inovações em materiais básicos tradicionais como o cimento será um dos maiores desafios, já que terão de permitir uma redução da pegada de carbono. Materiais mais leves e mais flexíveis, podem permitir uma produção mais simples de módulos na fábrica e irão contribuir para uma logística mais fácil, permitindo o transporte de materiais de longo curso. As características mecânicas dos materiais serão também de crucial importância para novos métodos de fabrico (por exemplo a manufatura aditiva) e para a performance térmica e acústica nos edifícios, por exemplo;

– A digitalização de produtos e processos é um passo necessário e que está já em atraso no setor da construção. As tecnologias digitais podem permitir uma melhor colaboração, um maior controlo da cadeia de valor e uma mudança para uma tomada de decisão mais orientada para os dados. Estas inovações vão mudar a forma como as empresas abordam as operações, o design e a construção, bem como o envolvimento com os parceiros. Edifícios inteligentes e infraestruturas que integram a Internet das Coisas (IoT) aumentarão a disponibilidade de dados e permitirão operações mais eficientes, bem como novos modelos de negócio, como contratações baseadas em métricas de inovação e desempenho (estrutural, ecológico, etc.). As empresas podem melhorar a eficiência e integrar a fase de design com o resto da cadeia de valor, utilizando a modelação de informação de construção (BIM) para criar um modelo tridimensional completo (um “digital twin“) e adicionar mais camadas como o planeamento, o custo, a sustentabilidade e outras.

A Figura 1 ilustra o ecossistema atual e a Figura 2 apresenta o novo paradigma. Por comparação, é possível perceber-se como a industrialização da construção terá de ser o novo normal.

Figura 1 – O ecossistema atual da construção: complexo, fragmentado e com processo de construção baseado no projeto (McKinsey, 2020).

Figura 2 – O ecossistema futuro da construção: mais standardizado, consolidado e com um processo de construção integrado (McKinsey, 2020).

A forma como a construção enfrenta estes desafios irá definir o sucesso deste setor. A industrialização da construção (produção em fábrica e montagem no local, por exemplo) minimizará grande parte dos problemas: maior eficiência, maior competitividade, melhores condições de trabalho (conforto, higiene e segurança), mais atratividade das funções a desempenhar para os trabalhadores, mais facilidade na logística, menores emissões e maior controlo na sustentabilidade ambiental dos processos, mais integração e proximidade com as cadeias de fornecimento e mais facilidade e eficiência na transição digital.

BUILT CoLAB © 2021

McKinsey 2020

McKinsey 2019

Image Credits

Partilhar Insight

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Para proporcionar uma melhor experiência no nosso website, nós utilizamos cookies. Ao continuar a utilizar o nosso website assumimos que aceita a utilização de cookies.